Após 19 anos, Cildo Meireles faz individual

Após 19 anos, Cildo Meireles faz individual

A exposição é oportunidade para conhecer 150 das mais importantes criações do artista carioca

Com curadoria de Júlia Rebouças e Diego Matos, “Entrevendo” traz obras de diferentes épocas, passeando pelos mais diversos tipos, dos desenhos às instalações. "Entrevendo”, por exemplo, na reprodução acima, foi projetada em 1970, mas somente em 1994 tomou forma. É uma instalação cilíndrica de madeira que ganhou destaque na montagem da exposição e faz um convite para que o visitante entre na sala expositiva. A mostra apresenta obras que ganharam releitura de acordo com a conjuntura atual: "são três trabalhos que falam sobre a formação da identidade e da sociedade brasileira e de várias partes do continente, desse projeto colonial que estrutura o país que está visível hoje, e se manifesta de várias formas", diz Julia Rebouças.

Cildo 01.jpg

Releituras

Nos anos 1970, Cildo Meireles fazia intervenções gráficas em garrafas de Coca-Cola e cédulas, devolvendo-as à circulação com frases como “Quem matou Herzog?”. Agora na série “Inserções em circuitos ideológicos”, ele cria novas versões em cédulas de R$ 2, carimbando o retrato de Marielle Franco.

Cildo 03.jpg

Pela primeira vez no Brasil, a instalação “Amerikkka”, que faz referência à Ku Klux Klan. São duas camadas de cerca de 17 mil ovos de madeira e 33 mil projéteis. Caminhando sobre a plataforma de ovos e sob a placa de balas, a ideia é buscar reflexão sobre uma nação, os EUA, marcada por guerras e ataques perpetrados por organizações de extrema-direita.

Amerikka, 1991/2019

Amerikka, 1991/2019

cildo - amerikkka02.jpg

Nessa exposição, a piscina de "Missão, missões (Como construir catedrais)" de quadrada passa a ser redonda, acompanhando o formato dos objetos usados: moedas, hóstias e ossos de boi. Apresentada pela primeira vez em 1987, a obra trata dos processos de catequização dos povos indígenas.

cildo - ele2.jpg

"Não tive oportunidade antes"

Há quase vinte anos não temos uma individual de Cildo Meireles no Brasil, apesar dele ter participado de inúmeras mostras coletivas. A última oportunidade do público apreciar um conjunto expressivo de sua obra foi no MAM Rio e no MAM São Paulo, que exibiram uma mostra vinda do New Museum de Nova York.

"Entrevendo – Cildo Meireles"

Abertura no dia 26 de setembro

Término em 2 de fevereiro de 2020

Sesc Pompeia, São Paulo

Inquietações e desejos na retrospectiva de Amador Perez

Inquietações e desejos na retrospectiva de Amador Perez

 Art Rio 2019 prioriza a arte brasileira

Art Rio 2019 prioriza a arte brasileira