“Deneir - Da bandeirinha à Bandeira” reúne obras feitas com materiais descartados

“Deneir - Da bandeirinha à Bandeira” reúne obras feitas com materiais descartados

Na individual, 12 trabalhos do artista criados a partir dos mais diversos tipos de elementos que nos remetem ao cotidiano 

O artista traz, ao mesmo tempo, discussões sobre a sustentabilidade ambiental, o multiculturalismo e uma constância das tradições da cultura popular brasileira no âmbito da arte contemporânea. “Por vezes, Deneir utiliza a reunião de elementos dispares para compor um novo todo, artifício que remete aos processos da ‘assemblage’. Outras tantas, pulveriza seu material transformando-o em matéria prima com a qual compõe o desenho e a cor na superfície, criando uma espécie de “pintura a alumínio” que se vê, por exemplo, nas bandeirinhas”, diz Anna Paola Baptista, que assina o texto de apresentação da exposição. 

Deneir, Poesia Estradeira, 2016, 30x100x140

Deneir, Poesia Estradeira, 2016, 30x100x140

Rompimento de fronteiras 

A flagrante expressão de Deneir nesta série de obras que se relacionam intensamente com cores e símbolos do Brasil, sugerem uma criação que não se apega a determinações impostas. Para Anna Paola Baptista, Deneir se inspira no modernismo e reinventa do impressionista neoimpressionista. Ela analisa que “da arte brasileira, Deneir abraça as tradições de Volpi e Palatinik”. 

Ao reutilizar e readaptar materiais diversos para criar obras de arte, Deneir traz também a discussão da sustentabilidade ambiental. O artista nasceu em 1954 e começou a vida artística aos 19 anos, mas foi durante a Eco-92 (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, em junho de 1992), que ele resolveu mudar totalmente os rumos de seus trabalhos, passando a adotar a reciclagem como linguagem artística. 

Deneir, Lute Contra Golpe, 2016

Deneir, Lute Contra Golpe, 2016

“Deneir – Da bandeirinha à Bandeira” 
Abertura dia 19 de novembro, das 14h às 18h 
Término dia 30 de dezembro, às 18h 
Sergio Gonçalves Galeria, Rio de Janeiro
Bittencourt abre coleção sobre Críticos de Arte

Bittencourt abre coleção sobre Críticos de Arte

“Gerações MASC” recebe Giovana Zimermann

“Gerações MASC” recebe Giovana Zimermann