Eva Klabin apresenta “Cá estou com Rosângela Rennó”

Eva Klabin apresenta “Cá estou com Rosângela Rennó”

O curador Marcio Doctors organiza encontros com artistas do projeto Respiração

   O público vai poder conversar com a artista Rosângela Rennó que em 2014 participou do projeto Respiração. Ela apresentou 14 instalações produzidas a partir de 16 objetos que escolheu na Coleção da Fundação Eva Klabin, que abrange duas mil peças do Egito Antigo ao Impressionismo. Rennó explica que “no ‘Círculo mágico’ de Eva Klabin, os objetos são iluminados e contam algo sobre si próprios para o espectador. Em alguns casos eles comentam a sua nova posição na Coleção; em outros, relatam sua existência de objeto e seu papel nesse seleto conjunto de seres encantados”. Na imagem acima, Licorne, China - dinastia Han (206 a.C.-220 d.C.) e Retrato de Nicolau Padavinus, Tintoretto, 1589.

Na Coleção Eva Klabin, (esquerda) São João Evangelista, Itália, séc. XVII, (centro) Madona dos Meninos Travessos, Itália, séc. XVI e (direita) Esquife de Gato, Egito, período Ptoloma

Na Coleção Eva Klabin, (esquerda) São João Evangelista, Itália, séc. XVII, (centro) Madona dos Meninos Travessos, Itália, séc. XVI e (direita) Esquife de Gato, Egito, período Ptoloma

Luzes na Coleção

   Para destacar as peças, Rosângela Rennó criou uma iluminação especial e escreveu e gravou textos que estarão em áudio próximos à obra, contando suas histórias. A voz e a luz serão controladas por pequenos dispositivos eletrônicos acoplados a discretos sensores de presença. O curador observa que “há hoje um discurso reiteradamente dominante de que atravessamos o mundo sem percebê-lo, devido ao excesso de estímulos. O mundo nos passa desapercebidamente. Vemos sem enxergar. Ouvimos sem escutar. Falamos sem refletir”. Transportando esta ideia para a Coleção Eva Klabin, Doctors diz que “o sentido de harmonia estabelecido pela colecionadora ao conjunto do acervo é passível de produzir ‘anestesia’ do olhar, que é desencadeada pela opulência do requinte que se impõe ao visitante. O clarão do conjunto harmonioso nos cega em relação ao específico de cada objeto. E é exatamente a ideia da singularidade que cada objeto carrega consigo que é a matéria sobre a qual Rosângela Rennó desenvolve sua intervenção”, afirma.

Círculo Mágico (Madona, Menino e São João Batista, Sandro Botticelli e Estatueta Feminina Pré-Colombiana, México)

Círculo Mágico (Madona, Menino e São João Batista, Sandro Botticelli e Estatueta Feminina Pré-Colombiana, México)

   “Círculo mágico” foi escolhido por Rosângela Rennó a partir de um texto do pensador alemão Walter Benjamin (1892-1940), que em um trecho pontua que “o maior fascínio do colecionador é de encerrar cada peça num círculo mágico onde ela se fixa, se congela, no momento em que é atravessada pelo último calafrio — o da sua aquisição”. A artista ressalta, entretanto, que a noção de “Círculo mágico” que acompanha a exposição é “ampliada e transformada”, pois ela considera “toda a Casa/Coleção Eva Klabin como um único ‘círculo mágico’ onde os objetos ganham vida e falam”. Rosângela Rennó destaca que este trabalho “está relacionado não apenas à questão da memória, mas, principalmente, ao circuito dos objetos que, ao longo de sua existência, ganham status e valor de ‘objeto de arte’”. Ela acentua também que os objetos na Coleção Eva Klabin têm idades variadas, “cada um com sua história e sua carga simbólica”. “Iluminar e dar ‘voz’ a alguns objetos é como dar-lhes um corpo e uma temperatura, isto é, personificá-los, pra que eles tragam ao espectador suas próprias memórias”.

Relógio despertador, Joseph Jans, Alemanha e Madona, Menino e S.J.Batista, Itália - século XVI

Relógio despertador, Joseph Jans, Alemanha e Madona, Menino e S.J.Batista, Itália - século XVI

Projeto Respiração

   O objetivo do Projeto foi construir pontes entre a arte contemporânea e o acervo da Fundação Eva Klabin a partir de convites a artistas contemporâneos para criar intervenções especialmente para o espaço da casa, estabelecendo relações com as peças do rico acervo. Participaram nomes como Anna Bella Geiger, Anna Maria Maiolino, Brígida Baltar, Carlito Carvalhosa, Chelpa Ferro (Luiz Zerbini, Barrão e Sergio Mekler), Claudia Bakker, Daniela Thomas, Enrica Bernardelli, Ernesto Neto, João Modé, José Bechara, José Damasceno, Laura Lima, Lílian Zaremba, Marcos Chaves, Maria Nepomuceno, Marta Jourdan, Nuno Ramos, Paulo Vivacqua, Sara Ramo, e os portugueses Daniel Blaufuks e Rui Chafes.

Coleção de Eva

   As obras de arte são divididas por núcleos pelos espaços da casa e refletem a paixão da colecionadora Eva Klabin (São Paulo,1903-Rio de Janeiro,1991) que reuniu um dos mais importantes acervos de arte clássica dos museus brasileiros.  A coleção tem preciosidades da arte italiana dos períodos Renascentista e Barroco, com pinturas e esculturas de grandes mestres como Tintoretto, Bernardo Strozzi, Lucca e Andrea della Robbia, Benedetto da Maiano, entre outros. Outras atrações são objetos procedentes da Ásia, do Egito Antigo, da América pré-colombiana e da Europa.

“Cá estou com Rosângela Rennó”

Orgnização de Marcio Doctors

Dia 13 de maio, às 16h30

Fundação Eva Klabin, Rio de Janeiro

Entrada franca, distribuição de senhas, às 16h, lotação limitada

 “Moderna para Sempre” remonta universo fotoclubista brasileiro

 “Moderna para Sempre” remonta universo fotoclubista brasileiro

“Dizer o indizível” na 15ª Semana Nacional de Museus

“Dizer o indizível” na 15ª Semana Nacional de Museus