Gilvan Nunes apresenta nova fase de pinturas

Gilvan Nunes apresenta nova fase de pinturas

Com curadoria de Fernando Cocchiarale, a individual “Paisagens Suburbanas” reúne 20 obras inéditas

   “Somente após quase três décadas de trabalho, o artista afastou-se da experimentação voltada para a expansão do campo pictórico ao redirecioná-la para a paisagem”, diz o curador. Acima, detalhe de obra de Gilvan Nunes.

Cenas intensas

   Gilvan Nunes produziu, neste recente conjunto de pinturas, obras que representam cenas rurais e cenas urbanas. Mas não os apresenta da mesma forma. Fernando Cocchiarale explica que “ao observarmos a feitura desses dois tipos de paisagem pelo artista, veremos que eles não diferem somente quanto aos subtemas (paisagem urbana e paisagem rural), mas, sobretudo, pelo tratamento pictórico específico dado a cada um deles. Enquanto suas cenas rurais são de visível fatura expressionista, remetendo-nos às possibilidades pictóricas instauradas no passado, as paisagens urbanas de Gilvan são de fatura totalmente oposta. Pintadas sem qualquer empastamento, com base na aplicação de grids que modulam tanto a pintura quanto as cidades que desta resultam, enfatizam que para o artista a expressão visual de seu pensamento é indissociável do sentido poético que qualifica a sua obra”.

Gilvan Nunes, Km166 Landscape, 2015, óleo sobre tela, 50 x 70cm 

Gilvan Nunes, Km166 Landscape, 2015, óleo sobre tela, 50 x 70cm 

O artista

   Gilvan Nunes nasceu em Vermelho Novo, Minas Gerais, em 1966. Entre 1986 e 1991, estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro, tendo grandes nomes - Charles Watson, Hilton Berredo, Daniel Senise, Beatriz Milhazes e Milton Machado - como seus professores. Atualmente, mora e trabalha no Rio de Janeiro. Possui obras em acervos nacionais e internacionais, tais como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Espaço Itaú Cultural de São Paulo, Fundación Ankaria em Madrid (Espanha), entre outros.

   A seguir publicamos o texto do curador desta individual, Fernando Cocchiarale, na íntegra: "No final dos anos 80 Gilvan Nunes começou sua formação artística na Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

   A EAV havia se tornado uma referência nacional da reação à arte conceitual, cuja ênfase na ideia, em detrimento do fazer manual, era internacionalmente considerada o maior obstáculo para a retomada da pintura como meio artístico hegemônico.

   Marcada por tal contexto, a pintura de Nunes, no entanto, não se restringiu à voga consagratória, tanto discursiva quanto prática, do fazer e do prazer proporcionado por este meio ou ofício ancestral da visualidade humana. Durante anos as transformações de seu trabalho resultaram da inquietação experimental que levou-o a expandir sua pintura para além do campo dos limites pictóricos  convencionalmente estabelecidos.

   Ainda que a produção de Gilvan tenha por fio condutor permanente a pintura, sua trajetória foi sendo processualmente trilhada sobre as tênues fronteiras que historicamente especificavam os diversos ofícios (pintura, escultura, tapeçaria, cerâmica) cujos limites, atualmente esgarçados, persistem com base numa equivalência terminológica infundada: a que substitui a divisão das artes por técnicas, por sua divisão em linguagens.

   Até chegar à sua pintura atual de paisagens rurais e urbanas, a obra do artista passou por muitas transformações, algumas delas, essenciais à sua experimentação.

   Nesse sentido, destacamos as obras do período em que ele se apropriava de telas acadêmicas, de autoria ignorada, compradas em brechós, sobre as quais pintava, com rolos entintados, padronagens florais brancas destinadas originalmente à decoração de paredes. Também são dignas de nota as grandes pinturas de madeira crua sobre as quais o artista superpunha formas em relevo recortadas na mesma espessura do suporte, entintadas de preto como num clichê. Finalmente, Gilvan passou a encomendar suas pinturas a terceiros, contratados para pintar motivos e cenas publicadas em livros, revistas e anúncios de publicidade por ele escolhidas.

   Somente após quase três décadas de trabalho, o artista afastou-se da experimentação voltada para a expansão do campo pictórico ao redirecioná-la para a paisagem, gênero pictórico consagrado desde a Renascença.

   Ao passar a produzir pinturas totalmente artesanais (tinta sobre tela), Gilvan não abandonou a inquietação produtiva e experimental que atravessara o conjunto de seu trabalho. Suas obras recentes, como vimos, podem ser definidas, logo à primeira vista, de um ponto de vista temático, que se subdivide em dois subtemas, um de cenas rurais e outro de cenas urbanas.

   No entanto, ao observarmos a feitura desses dois tipos de paisagem pelo artista, veremos que eles não diferem somente quanto aos subtemas (paisagem urbana e paisagem rural), mas, sobretudo, pelo tratamento pictórico específico dado a cada um deles. Enquanto suas cenas rurais são de visível fatura expressionista, remetendo-nos às possibilidades pictóricas instauradas no passado, as paisagens urbanas de Gilvan são de fatura totalmente oposta. Pintadas sem qualquer empastamento, com base na aplicação de grids que modulam tanto a pintura quanto as cidades que desta resultam, enfatizam que para o artista a expressão visual de seu pensamento é indissociável do sentido poético que qualifica a sua obra."

Gilvan Nunes, Condomínios, óleo sobre tela, 150 x 200 cm                                                 Foto: Alexandre Campbell

Gilvan Nunes, Condomínios, óleo sobre tela, 150 x 200 cm                                                 Foto: Alexandre Campbell

“Paisagens Suburbanas”

Abertura dia 29 de março, às 19h

 Término dia 20 de abril de 2017, às 19h

Galeria Patricia Costa, Rio de Janeiro

Grand Palais abre “Rodin - A exposição do centenário”

Grand Palais abre “Rodin - A exposição do centenário”

Retrospectiva visual inédita sobre Ana C. (1952-1983)

Retrospectiva visual inédita sobre Ana C. (1952-1983)