“Glória Ferreira – Fotografias de uma amadora” reúne imagens de quatro décadas

“Glória Ferreira – Fotografias de uma amadora” reúne imagens de quatro décadas

Publicação registra o viés artístico da conceituada historiadora, curadora e crítica de Arte 

O livro apresenta pela primeira vez seleção de fotografias feitas por Glória Ferreira entre 1970 e 2006. Ela começou a fotografar em 1970. Engajada na luta contra a ditadura militar no Brasil, Glória Ferreira foi exilada no Chile, Suécia e Paris, e durante esse período desenvolveu e amadureceu o interesse pela Arte em geral e pela Fotografia em particular. “Suas fotos não precisam de assinatura e são quase que imediatamente reconhecidas. Sua inspiração vem do detalhe revelador que muitos enxergam mas não veem”, ressalta Ernesto Soto no texto de apresentação do livro. 

Em coedição da NAU Editora e da Linha Projetos Culturais, o livro chega às livrarias por R$ 100, tem 236 páginas, formato 28x21cm, capa dura e é bilíngue (português/ inglês). Estão destacadas as seguintes séries: “Para Tocha” (2003), “By” (2004-2006), “Cicatrizes” (2003), “De G. a S.” (2000), “Cenas” (anos 1980/1990), “Empenas” (anos 1990), “Olho por Olho, dente por dente” (1988), "Subindo o Tocantins Descendo o Araguaia" (anos 1980), "Experimentos" (anos 1980) e “Retratos do Exílio” (anos 1970). O livro também traz textos de críticos de Arte que, de alguma forma, acompanharam a produção fotográfica de Glória Ferreira: Paulo Sergio Duarte, Ligia Canongia, Tania Rivera, entre outros. 

Cenas do cotidiano ao abstrato 

Na série “Para Tocha” (2003), Glória Ferreira registrou pessoas fotografando pontos turísticos de Paris. Em “Cicatrizes”, a fotógrafa registrou imagens de cicatrizes de pessoas anônimas, em fotos denominadas “um amigo”, “uma amiga”. A série “By” traz imagens de cenas em movimento, em diferentes situações e lugares. “Retratos do Exilio” reúne imagens feitas nos anos 1970, durante o exílio. “De G. a S.” revela datas marcadas nas calçadas de Paris, por ocasião de reparos. A série “Experimentos” traz fotos abstratas. Em “Subindo o Tocantins, descendo o Araguaia”, Glória Ferreira registra esta região e sua população através de imagens em preto e branco. A série “Cenas” é a maior delas e ocupa 58 páginas do livro, com imagens coloridas que registram cenas cotidianas. 

Currículo na Fotografia 

A carreira de Glória Ferreira como fotógrafa começou com suas primeiras fotos em 1971. Ela realizou exposições no Brasil e no exterior. Dentre elas, destacamos “4 exposições Individuais” (1988), na Galeria de Arte Ibeu Copacabana, no Rio de Janeiro; “Mulheres Fotógrafas. Anos 80” (1989), no Instituto Nacional da Fotografia/Funarte, Rio de Janeiro; “Photos” (1995), no Solar Grandjean de Montigny, Rio de Janeiro; “Grande Orlândia” (2003), no Rio de Janeiro; “Convívio Luciano Fabro” (2004), no Musée Bourdelle, em Paris. E houve lançamentos específicos para duas séries: “Para Tocha”, em 2003, e “BY”, em 2006, ambos no Rio de Janeiro. 

Produção independente 

Glória Ferreira é Doutora em História da Arte pela Sorbonne, professora colaboradora da Escola de Belas Artes/UFRJ e crítica e curadora independente. Entre suas curadorias mais recentes destacam-se as realizadas na Casa de Cultura Laura Alvim, em 2013 e 2014; “Figuração X Abstração no Brasil dos anos 40” (2010), na Escola de Belas Artes, em São Paulo; “Imagens em migração: Uma exposição de Vera Chaves Barcellos” (2009), no MASP, em São Paulo; “Anos 70 – Arte como questão” (2007), no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo; “Trilogias”, de Nelson Felix (2005), no Paço Imperial, no Rio de Janeiro e “Situações Arte Brasileira Anos 70” (2000), na Casa França-Brasil, no Rio de Janeiro. Além disso, organizou e foi coeditora de importantes livros e publicações de arte. 

“Glória Ferreira – Fotografias de uma amadora” 
Lançamento dia 7 de dezembro de 2016, às 19h 
Livraria Argumento, Rio de Janeiro
Brasil ganha MUMO - Primeiro museu público da Moda

Brasil ganha MUMO - Primeiro museu público da Moda

Aline Matheus traz “Meu corpo será sempre o meu corpo”

Aline Matheus traz “Meu corpo será sempre o meu corpo”