Marina de Falco mostra pinturas sobre linho

Marina de Falco mostra pinturas sobre linho

A artista usou o tecido que foi dos lençóis do enxoval dos avós maternos em processo autoral

O título da exposição é curioso: “Novíssimos”. É que, apesar da artista – que se inspira em Hélio Oiticica – ter usado o tecido dos lençóis do enxoval dos avós maternos italianos nas telas, sua produção é recente e autoral. Nesta mostra, ela também inclui um vídeo e remonta parte do seu ateliê. Para o curador, Marcelo Salles, “quando Marina altera a disposição das pinturas (imagem vídeo) através de uma ação performativa temos ecos das ações dos ‘Parangolés’ de Oiticica, mas é justamente a distância, em todos os sentidos, que os separa e que torna esse eco quase inaudível que permite que uma dimensão autoral se estabeleça com mais força”, afirma Marcelo Salles. Na imagem acima, detalhe de pintura. 

Pesquisa no passado

Há dois anos, Marina de Falco começou a trabalhar nas obras desta mostra. Ela frequentou o curso com a professora Paula Braga sobre Hélio Oiticica, fez contato com a família de Oiticica, visitou o Museu do Açude – no Rio de Janeiro, onde se encontra a instalação Magic Square nº 5 – e foi também ao Museu de Inhotim, em Minas Gerais. Os lençóis que serviram de tela, Marina conta que os encontrou durante uma pesquisa sobre sua família, que tem origem italiana, e que as peças de linho pertenceram ao enxoval de seus avós maternos.

Processo completo

No processo criativo, Marina de Falco produz os materiais que utiliza - tecido da tela, medida dos painéis, as bases e tintas. As cores são construídas a partir da escolha dos pigmentos, óleos/acrílicos até a adição de carbonato de cálcio para ganhar mais opacidade.

Marina de Falco, pintura sobre linho 

Marina de Falco, pintura sobre linho 

Vídeo-performance

Na exposição, um vídeo da performance ‘Dança das Cores’ mostra a interação do público com a obra da artista.

Instalação

Uma parte do ateliê da artista foi recriada numa das salas da Casa com o objetivo de apresentar todo o processo criativo e um pouco da história da trajetória da artista. É possível perceber ali que a geometria não é uma novidade na obra de Marina de Falco.   

Formação em várias técnicas

Marina de Falco nasceu em São Paulo, onde vive e trabalha. Desde os anos 80, dedica-se às Artes Plásticas, tanto ensinando quanto produzindo em ateliê. A artista se notabiliza por dominar conhecimentos em desenho, cerâmica, gravura, pintura, instalações, performances e vídeo. É mestre em Artes Plásticas pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), concluiu o curso de Especialização em Arte-Educação pela ECA/USP e Especialização em Estudos de Museu de Arte pelo Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP). Formou-se em Licenciatura de Educação Artística, e também em Licenciatura em Desenho e Plástica pela Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).  Realizou mais de dez exposições individuais, entre em São Paulo (Veredas, em 2015; Galeria Garcia e Gravura Brasileira, ambas em 2010; FUNARTE e na Galeria da ECA, ambas em 2001; Secretaria Municipal de Cultura, em 2000; Arte na Hoescht, em 1989 e  CCSP, em 1986), Suécia (Galeria 19, em 2009) e em Santa Catarina (Museu de Arte de Santa Catarina-MASC, em 2002). Participou de diversas mostras coletivas no Brasil e no exterior.

“Novíssimos”

Abertura dia 1 de abril, às 11h

Término dia 6 de maio, às 17h

Casa Contemporânea, São Paulo

Tomie Ohtake apresenta individual de Yoko Ono

Tomie Ohtake apresenta individual de Yoko Ono

Rio Mapping é o maior Festival de Arte Visual da América Latina

Rio Mapping é o maior Festival de Arte Visual da América Latina