MNBA rememora cenário artístico de 1816

MNBA rememora cenário artístico de 1816

A exposição marca a chegada da Missão Artística Francesa no Brasil que tinha por objetivo desenvolver o ensino da Arte

Com curadoria de Monica Xexéo e Amandio Miguel, ambos pesquisadores do MNBA, a exposição “Joaquim Lebreton - do cenário artístico em 1816 à Missão Francesa no Rio de Janeiro” marca os 200 anos do desembarque dos artistas plásticos no Rio de Janeiro, chefiados por Lebreton, e apresenta abordagem sobre a trajetória da Missão Artística e seus desdobramentos para a construção do inventário da arte brasileira. A mostra congrega alguns importantíssimos acervos públicos, destacando a presença de obras de Jan Van Kessel O Jovem (Frutas), Taunay, Leandro Joaquim, Marc Ferrez, Pradier, Grandjean de Montigny e Corrado Giaquinto, entre outros. Os curadores selecionaram cerca de 50 obras - pinturas, esculturas, desenhos e documentos. 

Nicolas Antoine Taunay, Moisés salvo das águas, 1826

Nicolas Antoine Taunay, Moisés salvo das águas, 1826

Módulos históricos

A exposição começa com os antecedentes da saída do príncipe regente, em 1807. Na sequência, o capítulo da Escola Fluminense reflete o cenário artístico que já se desenvolvia no Rio de Janeiro quando da chegada da corte portuguesa e são desta fase os trabalhos de Leandro Joaquim, Manuel Dias de Oliveira e José Leandro de Carvalho, por exemplo. 

No terceiro módulo, o destaque para Joaquim Lebreton, um renomado intelectual francês, que foi convidado pelo Conde da Barca (então ministro da corte portuguesa) para chefiar a Missão Francesa,  trazendo a bordo um relevante acervo artístico,  com obras de Corrado Giaquinto e Jusepe de Ribera, entre outras. 

Corrado Giaquinto, Apoteose de São Nicolau

Corrado Giaquinto, Apoteose de São Nicolau

E encerrando a exposição, o último segmento apresenta uma significativa coleção dos integrantes da Missão Artística Francesa, que constituiu um legado para a construção de um ensino oficial da Arte no país.  

O Museu Nacional de Belas Artes responde pela maioria das obras expostas, porém trabalhos relevantes da coleção do Museu Histórico Nacional,  da Fundação Biblioteca Nacional e do Museu D. João VI(EBA/UFRJ), completam este extraordinário painel sobre um dos capítulos mais importantes da cultura brasileira. 

“Joaquim Lebreton - do cenário artístico em 1816 à Missão Francesa no Rio de Janeiro”
Abertura dia 14 de dezembro,  às 12h
Término dia 12 de março de 2017, às 17h
Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro
Oito décadas de Arte Naïf no Memorial da América Latina

Oito décadas de Arte Naïf no Memorial da América Latina

Retrospectiva inédita do alemão Syberberg

Retrospectiva inédita do alemão Syberberg