Mostra apresenta 290 originais de J.Carlos

Mostra apresenta 290 originais de J.Carlos

Nos desenhos é possível identificarmos um tempo que foi retratado em detalhes para permanecer na História

   A exposição traz seleção de 290 originais entre os mil originais que integram a coleção Eduardo Augusto de Brito e Cunha, filho de J. Carlos. Em muitas obras, estão indicações para a gráfica feitas pelo próprio J.Carlos sobre tamanhos e uso de cores. “J. Carlos: originais” tem curadoria assinada pelo jornalista Paulo Roberto Pires, pelo caricaturista Cassio Loredano e por Julia Kovensky, coordenadora de iconografia do IMS, que abriga a Coleção desde 2015. Na reprodução acima, detalhe do desenho de J.Carlos que foi publicado na revista Para Todos em maio de 1931 (veja-o completo ao final desta postagem). 

O desenho e a impressão

   A exposição é dividida em quatro seções. Na montagem da exposição, os curadores optaram por apresentar não somente os desenhos originais de J.Carlos, mas também as obras publicadas em impressos, revelando o percurso do desenho original até a sua reprodução.

Tríade da Primeira República

Com K.Lixto e Raul Paranhos, J.Carlos formou a tríade de caricaturistas da Primeira República

Com K.Lixto e Raul Paranhos, J.Carlos formou a tríade de caricaturistas da Primeira República

   O primeiro trabalho de J.Carlos foi publicado na revista Tagarela no início do século XX, em 1902, com uma legenda explicando que era o desenho de um iniciante. Era mesmo o início de uma carreira marcada por obras que transformaram o artista em um ícone do seu tempo. Menos de um ano depois, J.Carlos – que permaneceu publicando seus desenhos na revista, assinava o desenho de capa da Tagarela. Recentemente fundada em 1901, como periódico semanal por outros dois artistas – Raul Paranhos Pederneiras (1874-1953) e Calixto (K.Lixto) Cordeiro (1988-1957), entrar para a equipe da Revista foi a oportunidade de J.Carlos mostrar todo o seu talento, formando um triunvirato máximo da caricatura com os dois fundadores da Tagarela. Eles tiveram desenhos publicados nas mais importantes publicações daquela época. J.Carlos teve obras reproduzidas em todas: O Malho, O Tico Tico, Fon-Fon, Careta, A Cigarra, Vida Moderna, Para Todos, Eu Sei Tudo e A Cigarra.

J.Carlos desenhava todo o tipo de situações, produzindo acervo com milhares de obras

J.Carlos desenhava todo o tipo de situações, produzindo acervo com milhares de obras

Ícone de uma época

   J. Carlos passeou por inúmeras áreas das artes. Foi designer gráfico - criou capas de revistas, capas de discos, anúncios publicitários; chargista, autor de teatro de revista, letrista de samba, escultor, ilustrador, quadrinista. Notabilizou-se, ainda, como desenhista que guardou para a História as figuras que circulavam pelas ruas do Rio de Janeiro durante meio século. Ele retratava gente de todo tipo: sambistas, foliões no carnaval, as mulheres elegantes e urbanas que surgiam com a modernidade – as melindrosas e dele não escapavam os políticos, que estavam sempre presentes na cidade que era então a capital do País. Além de variada, sua obra é bastante numerosa, sendo estimada em mais de cem mil ilustrações!

J.Carlos, com traço e visão singulares do desenho, tornou-se marco do design gráfico no Brasil

J.Carlos, com traço e visão singulares do desenho, tornou-se marco do design gráfico no Brasil

Apreciado por Disney

   Com o passar das décadas, J. Carlos foi conquistando a popularidade. Ele assinou, por exemplo, o primeiro desenho do personagem Mickey Mouse feito no Brasil para peças publicitárias na revista O Tico Tico. Em 1941, Walt Disney visitou o Brasil e convidou J.Carlos para trabalhar em Hollywood, mas o brasileiro recusou o convite. Segundo alguns pesquisadores, o desenho de um papagaio enviado por J.Carlos para o Disney teria servido de inspiração para a criação do famoso Zé Carioca.  

J.Carlos, desenho publicado na revista Para Todos em maio de 1931

J.Carlos, desenho publicado na revista Para Todos em maio de 1931

"J.Carlos: originais"

Término dia 22 de outubro de 2017

Instituto Moreira Salles, Rio de Janeiro

O monumental “Pop Galo” vai do Tejo para Pequim

O monumental “Pop Galo” vai do Tejo para Pequim

Feira SP-Arte conquista o título de Festival

Feira SP-Arte conquista o título de Festival