Tomie Ohtake mostra o inconfundível “estilo italiano”

Tomie Ohtake mostra o inconfundível “estilo italiano”

A exposição traz 169 peças da Coleção Fondazione Massimo e Sonia Cirulli assinadas pelos mais reconhecidos artistas e designers italianos

“A forma das ideias: Design italiano do pós-guerra” destaca obras de Bruno Munari, Erberto Carboni, Lorenzo Castellaro e Gio Ponti. São cartazes, esboços de publicidade, fotografias e objetos. A exposição traça a história visual dos eventos que impulsionaram muitas empresas, artesãos e designers a contribuir para uma revolução de hábitos e costumes, construindo uma nova e moderna fase industrial na Itália nos anos 1950 a 1960 na Itália.

Gio Ponti, projeto gráfico de tecido

Gio Ponti, projeto gráfico de tecido

Made in Italy

Destaca-se o chamado “estilo italiano”, que emergiu no pós-guerra e consolidou-se durante o final da década de 1960, alçando os produtos Made in Italy ao sucesso. Seu conceito está ligado à aliança empreendida entre indústria, habilidade técnica e artesania, em variadas produções, de joias a cerâmica, de têxteis a metais, da publicidade à moda, com legado ressoando até os dias atuais.

Diversidade de produtos

O conjunto de trabalhos reunidos busca transmitir ainda a versatilidade do saber-fazer italiano, destacando as personalidades multifacetadas de artistas e designers cuja criatividade manifesta-se em produtos tão diversos como nos desenhos do carro de corrida Cisitalia e da máquina de café Pavoni; na invenção de campanhas publicitárias para Fiat, Pirelli e Campari; e na criação de verdadeiros ícones modernos como a Lambretta.

Além do saber-fazer, os italianos inovaram também na forma de apresentar os produtos

Além do saber-fazer, os italianos inovaram também na forma de apresentar os produtos

Artesania invejável

Segundo os organizadores da mostra, o sucesso do Design italiano tem origem, em grande parte, na combinação entre criatividade do designer e habilidade do artesão. Uma visão simplificada do processo de criação dos projetos pode distinguir entre uma fase criativa, a cargo do designer, e uma fase de implementação, baseada nas habilidades manuais e técnicas do artesão. A qualidade técnica dos produtos finais, o cuidado no processo de fabricação e a competência na execução do artesão são marcas inconfundíveis, fazendo-se presentes em vários suportes que descrevem as características de refinamento dos produtos italianos, bem como o desenvolvimento do país após a guerra.

“A forma das ideias: Design italiano do pós-guerra”
Término dia 5 de fevereiro
Instituto Tomie Ohtake, São Paulo

 

Megamostra reúne a recente Pintura brasileira

Megamostra reúne a recente Pintura brasileira

O coletivo-individual de Lucia Laguna

O coletivo-individual de Lucia Laguna